GuidePedia

Em breve!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

From This Moment On TRADUÇÃO - Continuação

Oi ppl, aí fica mais um pouco da tradução da autobiografia de Shania, já sabem que podem ver a tradução completa em: http://fromthismomentonshaniatwain.blogspot.com/



FROM THIS MOMENT ON TRADUÇÃO

"(...) Lembro-me da minha avó estar sempre em casa quando eles lutavam, e nunca ouvi um comentário seu sobre o assunto. É difícil imaginar, porém, que ela não estava ciente da violência, como ela e minha mãe estavam tão perto, não teria sido óbvio sinais físicos de hematomas e dor. O meu pai tinha apenas coisas boas a dizer sobre a minha avó Eileen e eu só a vi ser gentil com ele, independentemente do que ela sabia, o que pensava, ou o que pode ter sentido sobre o seu relacionamento com a sua filha. Embora ela nunca tivesse expremido isso à nossa frente, só posso supor que a perturbava profundamente saber que era um relacionamento abusivo.

Uma das brigas entre os meus pais aconteceu na casa Norman e destaca-se particularmente vívida. Não me lembro da causa exacta, mas estes episódios tendiam a seguir um padrão familiar. O meu pai tinha um traço bastante ciumento, por isso poderia ter sido relacionado com isso. Ou é provável que a minha mãe se poderia ter irritado com ele sobre não ter dinheiro suficiente para a mercearia, algo que começávamos a experimentar com mais frequência. Essa foi a fonte da maioria de seus conflitos. Jerry não era preguiçoso - ele sempre trabalhou - mas não tenho certeza se ele tinha a sua formação escolar completa, então estava limitado a trabalhar com o salário mínimo, apesar de ter mudado de emprego com freqüência em busca de um melhor salário. Mas as contas nunca estavam pagas a horas. Nós mudámo-nos muito, muitas vezes porque não podíamos pagar o aluguer num lugar, então começávamos tudo de novo noutro endereço, até nos sentirmos muito longe. Foi um ciclo perpétuo, em movimento para fugir das contas que os meus pais não podiam pagar.

A minha mãe pressionava o meu pai duramente quando ele não podia fornecer. Agora, foi bastante stressante para ele saber que não podia fazer face às despesas da sua família de cinco pessoas, e muito menos ter a minha mãe em cima dele por causa disso até não ter fim. Mas para ser justa, ela tinha outro lugar para desabafar a sua ansiedade e frustração. Foi humilhante ter que ir a amigos ou família pedir ajuda, que era um último recurso reservado para momentos de desespero absoluto.

Numa pequena casa onde as emoções estavam ao rubro, poucos segredos estavam escondidos das pequenas orelhas. Normalmente, a minha mãe chateava, e o meu pai ignorava-a em primeiro lugar. Como a tensão subia, o volume de suas vozes aumentava, então os insultos verbais, até que um deles dava uma cotovelada ou bofetada no outro. A partir daí, não demorava muito para que as coisas se transformassem em grande escala de luta física. Nós, crianças, entendíamos que o dinheiro muitas vezes era apertado, e a raiz de muitos dos argumentos dos meus pais foi o stress de tentar sobreviver financeiramente.

As minhas irmãs e eu normalmente encolhíamo-nos atrás de uma porta fechada ou numa sala ao lado, onde não podíamos ver o que estava a acontecer, só ouvíamos quando a violência eclodia. Mas, infelizmente, lembro-me desta luta em particular no nosso novo lar, com plenitude, e detalhes visuais.

A minha mãe era uma pena tão fácil de empurrar. Jerry tínha-a no chão da casa de banho, e, a agarrar no seu cabelo, batia com a sua cabeça contra a lateral da sanita, derrubando-a friamente. Eu podia ver o Jerry repetidamente a mergulhar a cabeça da minha mãe dentro da sanita, e de seguida, puxava-a novamente. Lembro-me de perguntar: Por que é ele está a tentar afogá-la quando ela já está morta? Eu queria gritar: "Pare, já matou!" E queria detê-lo, mas estava com muito medo. A minha mãe era mole e sem vida. Chorei por ela e senti-me completamente humilhada ao vê-la tão desamparada, encharcada em água da sanita e com um pedaço de papel higiênico molhado pendurado no queixo.

A enormidade do desamparo foi transferido para mim, e senti-me impotente como ela. Nunca tinha visto nada como aquilo antes ou tinha sentido essa confusão ou pânico. Vestidas apenas com os nossos pijamas, as minhas irmãs e eu assistímos de tão longe quanto podíamos: na varanda minúscula do lado de fora da porta de entrada, na neve gelada que surgia ao longo dos nossos pés descalços. Estávamos terrivelmente frias e em pânico, a tremer de medo, com as lágrimas a escorrer, os pulmões a gritar, com o rosto vermelho, e assustado. Lembro-me claramente de gritar com todos os meus pulmões como se alguém me estivesse a matar pessoalmente. Assassinato sangrento absoluto, foi arrancando da minha garganta. A vida fugiu da minha mãe, e senti-me como se o meu cérebro estivesse prestes a explodir de gritar tão alto. Eu estava em histeria, a rastejar para fora da minha pele com medo, a sentir-me tão desamparada como a minha pobre mãe na cavidade da sanita, aparentemente afogada.

A cena perturbadora continuou a reproduzir-se à minha frente como um filme, emoldurado pela porta aberta da casa de banho. Foi surreal, como se não estivesse realmente lá, só a ver de outro lugar.

De repente, vários homens grandes em uniformes escuros e botas pesadas passaram pela varanda e pela casa. As suas solas duras a bater no chão, as vozes nos seus rádios e trouxe-me e de volta à realidade. Alguém, provavelmente um vizinho, havia chamado a polícia. Eles escoltaram o meu pai para fora numa viatura, que haviam puxado para cima da garagem. Muito para o meu choque, a minha mãe não só continuava viva, mas coerente o suficiente para convencer os policias que estava "tudo bem". Ela estava a cambalear e ofegante, mas podia falar. Ao refletir a memória, lembro-me de como o cabelo se agarrava à cabeça dela em grupos aleatórios, pendurado pelo seu rosto e pescoço, e a metade superior do seu pijama estava encharcado até à pele.

Toda a gente estava a agir para que ficasse tudo bem, quase não ligando nada para o que aconteceu. A minha mãe fez tanto quanto possível, pôs uma cara brava, agindo inabalávelmente devido aos seu óbvio estado de aflição. Ela disse algo como: "Está tudo bem, guardas, vai ficar tudo bem. Obrigado por terem vindo. Tenham uma boa noite."

O fim do drama foi bastante rápido uma vez que a polícia chegou. Depois de arranjar as coisas, balançaram a cabeça e saíram pela porta, mas e se a minha mãe precisava de cuidados médicos? Certamente devia, pelo menos, de ser examinada. Ninguém foi enviado para ver como ela - ou nós, estavamos nessa matéria. Estávamos traumatizadas, e a única pessoa que estava lá para nos ajudar a lidar com as consequências dos eventos horríveis daquela noite era a nossa mãe, espancada e quebrada. Hoje, quarenta anos depois, com uma consciência muito maior de maus-tratos e tendência das vítimas para minimizar a violência, dar desculpas para a agressão - até mesmo culpar-se pela ação do agressor - a situação seria investigada e tratada mais profundamente. Naquela época, eu estava aliviada pela luta terminar, pelo menos, apenas pela polícia aparecer. E com isso, tudo voltou ao normal. Até uma próxima vez.

Foi tão confuso e doloroso como testemunhar estas lutas entre os meus pais, eu estava confortada em saber que não estava sozinha, que minhas irmãs estavam lá, também. Estávamos todos a passar por isso juntos. E mesmo que eu tivesse apenas quatro anos quando a violência familiar entrou na minha vida, também me ocorreu que os meus pais foram apanhados nela, e não era culpa deles. O que quero dizer é, com certeza, eu odiava a violência enquanto estava a acontecer, mas eu não os odeio. Sinto pena deles. "








Written by

We are Creative Blogger Theme Wavers which provides user friendly, effective and easy to use themes. Each support has free and providing HD support screen casting.

2 comentários:

  1. Olá!
    Finalmente, o Aurea Fansite mudou de url. Agora, somos aureafans.net . Quando pudesses, mudavas o nosso link nos teus family afiliados, por favor?
    Obrigada e desculpa o incómodo.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

O espaço de comentários deste Blog pode ser moderado. Não serão aceites os seguintes comentários:

1. que violem qualquer norma do blog;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso ou que desrespeite a privacidade da cantora;
3. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
4. linguagem inapropriada ou impreceptível;
5. assinadas com e-mail falso;
6. fora do contexto do blog.

Qualquer Dúvida: silvia961993@gmail.com

Why Not? With Shania Twain Legendado

+ Shania

S H A N I A

 

© 2014 Shania Twain Brasil - Shania Twain Portugal. All rights resevered.